Para quem não tem medo de se molhar vamos explicar as várias modalidades de mergulho livre. Existem cinco categorias, e cada uma representa um nível de desafio e especialização.

Os atletas apneístas provam seus limites em competições mundiais em provas de apnéia estática e lastro constante. E Também existem vários torneios de apnéia realizados em vários países, onde se pratica o combinado de apnéia estática, dinâmica e lastro constante.

A única modalidade que não é considerada como esportiva ou de competição é a mais dura: ´No Limits´ que é um gênero de exibição, mesmo tendo os recordes obtidos nesta prática reconhecidos pela AIDA Internacional.

APNÉIA ESTÁTICA

Nesta modalidade o intuito é que o atleta fique o maior tempo possível em baixo da água imóvel e com as vias respiratórias imersas.

APNÉIA DINÂMICA

Com ou sem nadadeiras (dependendo da sub-modalidade), o apneísta deve percorrer a maior distância horizontal possível submerso.

APNÉIA SPRINT 25-50m

O mergulhador deve percorrer a distância de 25 ou 50m.

LASTRO CONSTANTE

Praticado no mar ou em lagos, o atleta desce a uma determinada profundidade usando um cinto-lastro, mas não pode utilizar o cabo-guia.

LASTRO CONSTANTE SEM NADADEIRAS

Valem as mesmas regras do lastro constante, porém sem o uso de nadadeiras.

IMERSÃO LIVRE

É a modalidade de mergulho em apnéia mais natural, pois sem nadadeiras ou lastro, o apneísta se utiliza apenas do cabo-guia para ir o mais fundo possível em lagos ou no mar.

LASTRO VARIÁVEL

Também praticado no mar ou em lagos, com o auxílio de lastro controlado (sled) ligado ao cabo-guia o mergulhador desce. Após atingir a profundidade desejada, o atleta abandona o lastro e retorna à superfície utilizando o cabo-guia ou simplesmente usando as nadadeiras.

Foto: divulgação